Projeto Resgatarte

Sejam bem-vindos ao projeto resgatart!!!

sábado, 3 de novembro de 2012

Resenha sobre o filme: Taare Zemeen Par (Somos Todos Diferentes)

O filme: Taare Zameen Par que traduzido é denominado de “Somos Todos Diferentes” ou de “Como Estrelas na Terra”, foi elaborado e realizado na Índia em 2007 e como relatei durante o debate, em 2008 tive meu primeiro contato com o filme. Ele aborda um tema bastante complicado encontrado dentro das instituições de ensino de todo o mundo. O filme narra o sofrimento de Ishaan Awashi que apesar de aparentar ser um menino como os demais é portador de uma necessidade especial denominada de dislexia. Ele começa a estudar e nesse momento sua dificuldade torna-se percebida pelos espectadores, mas sua mãe, seu pai e seu irmão nem desconfiam dos problemas que Ishaan esta tendo com os estudos e a profissional que deveria estar atenta e fornecer um amparo cognitivo a ele, não percebe as dificuldades deste aluno. Ishaan começa a ficar desmotivado por não compreender o que esta acontecendo consigo. Ele começa a sofrer retaliações devido seu problema por parte da professora que o repreende diante dos demais alunos, dos alunos que zombam dele devido sua dificuldade e o pior acontece quando ele chega em sua casa, pois seu pai quer que ele siga o exemplo de seu irmão. Mas o menino é diferente e como o titulo do filme mesmo diz “somos todos diferentes”. Sem amparo cognitivo para se desenvolver e superar aquela dura fase de sua vida. Ishaan começa a faltar por não estar mais motivado e busca observar o mundo para tirar suas conclusões, já que ninguém pretende ajuda-lo. Ele se sente excluído e mal compreendido por todos que o cerca. A escola por não ter uma boa estrutura pedagogica para diagnosticar e dar o suporte necessário para que o menino supere esta fase de sua vida, convoca seus pais e pede para que seus pais procurem outra instituição de ensino. Diante dessa situação, seu pai tomado pelo desespero toma uma decisão e mesmo contra a vontade dos demais membros de sua família e do próprio menino, matricula Ishaan num colégio interno. Nesta instituição que para ele era encarado como um castigo por não ter se desenvolvido o suficientemente, ele perde ainda mais o interesse pelos estudos e pelo que mais ele gostava de fazer que era desenhar e/ou expressar aquilo que ele percebe no mundo, seus sentimentos e emoções. Aquele local para Ishaan era sua condenação e para seus pais talvez a única solução encontrada para que sua família continuasse a ter uma boa reputação dentro daquela sociedade que não admitia que pessoas como Ishaan sobrevivessem, já que a sociedade era capitalista, consumista e por pensarem que Ishaan não seria capaz depois de grande de superar suas dificuldades e continuar a viver. No inicio o filme é até engraçado diante de algumas aparentes brincadeiras realizada pelo menino, mas em seguida o filme revela cenas sensíveis, comoventes e particulares de um aluno que sofre com a dislexia. A complexidade nas relações dão vida a uma cena de desespero, de total abandono e isolamento. E mesmo tendo um colega em sua companhia, não é como ter sua família do seu lado para acalentar e suprir suas necessidades que estão além de uma boa educação e conforto. Percebe-se ainda que por mais que uma instituição tenha recursos o suficiente para garantir uma educação de qualidade e um amplo espaço para poder ser aproveitado, se os profissionais não souberem utilizar de nada adiantará. A segunda escola de Ishaan é maravilhosa e mesmo com a metodologia tradicional adotada, digo que seus profissionais seriam capazes de perceber as dificuldades apresentadas por Ishaan, mas esses fizeram “vistas grossas” para os problemas do aluno e de possíveis outros alunos que já passaram por ali. Não vem ao caso se os professores que lecionaram para Ishaan não se importaram com sua dificuldade por não terem passado pelo mesmo problema que o menino estava passando, já que acredito que a função de ser professor é de mediar conflitos, mediar conhecimento e estar atento para possíveis dificuldades e assim sanar estas. E como já estou me referindo aos professores de Ishaan, percebe-se que muitos passaram pela vida do menino e até reconheceram suas dificuldades, mas não buscaram formas de trabalhar com esse aluno para que o mesmo superasse essa fase de sua vida. E quando tudo parecia desfavorável para o menino rejeitado por tudo e todos, surge um professor chamado Ram Shankar Nikumbh que adota uma forma diferenciada de mediar o conhecimento. Ele não se destacou apenas diante dos demais professores daquela instituição por adotar essa maneira diferente de prender a atenção de sues alunos, mas provocou esses professores por ser assim ao ponto de sofrer discriminação dentro do seu trabalho por tem um olhar mais apurado e atento as dificuldades de seus alunos e Ishaan se incluía nestas observações realizadas pelo professor. O Professor não se interreçou pelo problema de Ishaan simplesmente porque já foi dislexo, mas porque ser um aluno que apresentava uma dificuldade e ele entendia sua função como professor que é de ajudar seu aluno a superar suas dificuldades. Percebe-se ainda que por mais que Ram havia passado pela mesma dificuldade que aquele aluno, ele não sabia como solucionar aquela dificuldade e por isso procurou ajuda de pessoas com uma maior experiência naquela area e também foi na raiz do problema quando descobriu que Ishaan sofria mais por conta da ausência de sua família. O que me chama a atenção é o “feeling” que aquele professor tinha mesmo diante da falta de experiência, ele pesquisou o problema para poder trabalhar e fazer com que aquele aluno supere-o. O professor continuou o seu trabalho dentro da sala para que seus alunos não fossem prejudicados e mobilizou outros setores daquela instituição e a família do menino para que o seu esforço surtisse resultados positivos. Acredito que não foi por sofrer com o mesmo problema que o professor soube identificar e ajudar Ishaan e sim sua dedicação e consciência de suas responsabilidades como professor. Desse momento em diante percebi que o filme revela sua mensagem principal que é “Você é especial e único” e por mais que existam pessoas idênticas fisicamente, elas serão diferentes no interior, na forma de pensar e até mesmo de agir. Durante o filme pode-se perceber que as cenas ganham movimentos mágicos que permeiam entre a imaginação e a realidade. Releva ainda a dificuldade que o ser humano tem de se relacionar com pessoas que não se encaixam num padrão estabelecido. E isso Vaz com que esse ser humano se torne esdrúxulo na minha visão. O filme revela uma família que após se livrar de um aparente problema segue uma rotina normal e mesmo que ainda estejam presos à Ishaan que vive internado, seus pais supervalorizam o irmão de Ishaan até que se decepcionam após uma partida de tênis e percebem que ninguém é totalmente perfeito. Outro fator que o filme destaca é que ainda há uma falha no sistema de ensino e nos valores e conceitos inferidos na sociedade que influenciam no comportamento de muitos impedindo esses de assimilar o mundo com suas diferenças. Dá a entender que nós temos falhar e que muitas das vezes ao invés de torna-las evidentes e concertá-las, nós queremos esconde-las impossibilitando uma melhora significativa e contribuindo para uma sociedade doente e contaminada pelo preconceito e egoísmo. Nos é exposto o quanto sofrem pessoas aparentemente portadoras de alguma necessidade especial e o filme ainda nos dá uma lição de superação. Vale resaltar que qualquer profissional que se dedica a fazer o melhor pode identificar e contribuir para uma melhor relação e interação com os demais. Este mesmo profissional mesmo que não saiba lidar com essas dificuldades pode contribuir para que outros façam esse trabalho. Ele deve se informar e informar às pessoas competentes sobre as dificuldades percebidas neste aluno durante suas aulas e ou em qualquer ambiente para que se inicie um trabalho de equipe junto a família deste. O Profissional deve também buscar recursos didáticos e pedagógicos para trabalhar com essas diversidades encontradas. E foi isso que se fez aquele professor ser reconhecido como o diferencial naquela instituição de ensino. Muitas das vezes ficamos receosos de pedir ajuda ao nosso colega de trabalho, mas devemos ter a consciência de que todos os que compõem aquela equipe de trabalho dentro das diferentes redes de ensino do nosso país podem nos auxiliar na inserção deste aluno portador de alguma necessidade especial garantindo o que é direito de todos e é nosso o dever de praticar e ensinar isso aos demais alunos, pois há diferentes redes de ensino hoje que podemos contar e ainda com os diferentes recursos disponibilizados pelos Governos Federal, Estadual e Municipal, bem como, podemos contar com a nossa rede de saúde e seus servidores e ainda com demais profissional como Psicólogos, Fonoaudiólogos, Orientadores Educacionais, Conselhos Tutelares, Diretores pedagógicos, Diretores Administrativos, os Pais destes alunos, demais Órgãos, Instituições Públicas e Privadas e pessoas com vasta experiência nesta area. Percebo que não há mais motivos para um profissional dizer que não se sente capaz para lidar com as adversidades dentro e fora das salas de aula. Acredito que é possível mesmo que o professor não se identifique com esse aluno buscar apoio e informações que o possibilite superar algo aparentemente complicado, já que a legislação brasileira exige que as Leis referentes à inclusão sejam rigorosamente aplicadas nos diferentes locais onde se faz presente algum portador de necessidades especiais. Na maioria das vezes pouquíssimas alterações no planejamento dos professores podem causar mudanças satisfatórias durante o tratamento e vivencia destes alunos em questão. Quanto às leis que tratam destes casos. Percebo que as mesmas vem sendo aplicadas, mas que ainda há ambientes da sociedade onde essas leis são ignoradas por falta de informação dos portadores e em muitos casos por falta de interesse dos órgãos competentes. Há ainda lugares que fazem pouco caso e não buscam se adequar às exigências das Leis. Outro fator de dificuldade são as exigências e recomendações específicas que cada portador tem quanto aos espaços físicos das instituições de ensino. Alterações essas de responsabilidade de muitos órgãos do governo que não às realizam, impedindo que se cumpram as leis. O filme revela importância de acreditarmos em nós mesmos e ainda de realizar e fazer com que as pessoas acreditem no potencial existente em cada ser humano. Ishaan parecia já estar anesteziado devido seu sofrimento, mas o professor não desistiu de mostrar que ainda havia solução. O professor teve que cativar e trazer esse aluno para a realidade que ele estava vivendo e trazer a tona seus talentos já que “cada criança é única”. O professor soube revelar para Ishaan que muitos também superaram e até mesmo toma Albert Einstein como exemplo de superação e dali a diante até mesmo o menino percebe e reconhece que há outros que mesmo sendo discriminados pela sociedade surpreenderam e se superaram se tornando grandes homens e mulheres da história do mundo. O menino supera suas dificuldades com a ajuda dos que agora se aliavam para que ele superasse aquela fase e ele realmente supera. O filme demonstra essa superação quando seu pai decide fazer uma visita ao professor e após conversar com esse professor se depara com seu filho lendo algo exposto na parte externa daquela instituição de ensino, isto me comoveu por demais e também comoveu seu pai que sai como que desorientado. Mas o melhor estava reservado para final surpreendente e comovente, mas antes de narrar este final surpreendente, paro e faço uma analise sobre a atitude desse professor de elaborar um projeto específico para motivar seu aluno Ishaan. Ele transforma a escola num grande atelier ao ar livre e ainda convida sua “Guru” para este evento onde todos são motivados a produzirem uma obra de arte, sendo que a melhor seria a capa do livro daquela instituição no ano seguinte. Mas não foi só isso que surpreendeu Ishaan. Ele se surpreende quando percebe o quanto é querido pelo professor Ram quando ao observar a obra deste, se depara com seu rosto desenhado numa tela. Esta cena é importantíssima, pois retrata o quanto o professor valoriza seu aluno independentemente de suas dificuldades e necessidades. Ishaan ainda se surpreende ao ser vencedor do concurso e ser reconhecido por todos como um menino talentoso o que para ele foi muito importante e para o espectador uma cena comovente e que nos contagia com a alegria daquele menino. Ele nem acreditava no que estava acontecendo e seu professor não esperava ser reconhecido por aquele singelo trabalho desenvolvido e “apoiado por todos”. Porém mais surpresas ainda aguardavam e pegaram a família deste menino que antes era visto como imprestável e agora era querido por todos os que o rodeavam. Os professores reconheceram o quanto importante e diferenciado foi o trabalho feito por aquele aparentemente apenas “professor substituto” e seus pais tiveram que reconhecer o quanto erraram com aquele garoto. Aparentemente o garoto perdoou seus pais, mas quem teve seu trabalho valorizado pelo menino foi aquele agora intitulado como sendo o novo professor daquela instituição de ensino. Acredito que somente a aquisição de experiências que se dá pelo dia-a-dia dentro da sala de aula que será possível um profissional “ser completo” e saber lidar com as adversidades encontradas tanto na aplicabilidade dos conteúdos da sua disciplina, domínio de turma e a docência aos portadores ou não de necessidades especiais. Penso que para qualquer profissional que não queira estar fadado ao fracasso, ele deve estar sempre preocupado em se atualizar, se reciclar e sempre buscar novas maneira e métodos de trabalho. O professor deve ter a consciência de que deve estar atualizando e aprimorando seus métodos de ensino, bem como, sempre buscar novos recursos didáticos e pedagógicos que possibilite um melhor desenvolvimento pleno não só dos alunos portadores de alguma necessidade especial e sim de todos os seus educandos. Concluo dizendo que “ser professor hoje é superar suas próprias barreiras e medos e levar seus alunos a compreender e fazer suas escolhas de maneira consciente, pois muitas das vezes essas barreiras poderão interferir no seu futuro e consequentemente no futuro de toda uma geração”. Estas informações estarão disponíveis em: http://leandrobrodrigues.blogspot.com.br/ e http://resgatartbrasil.blogspot.com.br/ .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Postagens populares